Empresas e Pessoas na busca de Resultados consistentes.

Empresas e Pessoas na busca de Resultados consistentes.

O caminho necessário.

Já é sabido que o momento atual para empresas e pessoas é de total transformação. É na escuta dos diálogos diários que percebe-se quão desafiador está o mundo corporativo. Você tem parado pra escutar suas conversas com colegas de trabalho ou familiares? Você gestor, empresário, profissional liberal, quais são as suas principais queixas, medos?

Existe uma necessidade grande de obter resultados congruentes diante do cenário atual, alinhando pessoas, valores, missão e gestão estratégica. Existe o forte querer por parte das organizações em investir nesse caminho, muitas já se movimentam e creio ser esse o pontapé inicial para a obtenção de resultados diferentes. Melhores ou piores? A preocupação não deveria ser essa. O relevante é a CONGRUÊNCIA entre a fala e a ação, entre o querer e o plano. O resultado gerado não é melhor ou pior em relação aos anteriores. Não compare! O novo será adequado às conversas internas e as estratégias investidas na decisão! O resultado vem inicialmente da injeção que for aplicada no ativo da organização e da ampliação da autopercepção de todos os envolvidos no processo de mudança ou de transição.

A palavra da vez é AGREGAR! Lidando com a diversidade.

A congruência está relacionada com agregar. Assistimos ainda a estrategias de separação de pessoas  por capacidades, gêneros, idades, grau de escolaridade, etc. A diversidade é um fato, está presente no mundo corporativo atual. Aliás, é exatamente aí que está o grande segredo. Alinhar diferentes idades, pontos de vistas, habilidades individuais, objetivos específicos com a estratégia escolhida. Ainda vemos muitas conversas desalinhadas diante do comportamento que é praticado, observado. Estratégias que não se sustentam no dia a dia VUCA em que vivemos. Toda e qualquer estrategia cai por terra se os comportamentos, habilidades e ética estiverem desalinhadas. Perde a credibilidade! Não há como performar! O topo da pirâmide nesse processo impacta a Roda Organizacional. O topo é a base. Quebra de paradigmas total. É esse sim o momento em que vivemos e escolhemos gestar! Se uma das engrenagens parar, o Todo é afetado. Os resultados continuam sendo gerados, mas não se sabe qual é a direção.

Torre de Babel.

Onde é que isso tudo vai dar? Quais preços estamos pagando pela omissão da situação? Vai fazendo, fazendo e fazendo. Muitas vezes rotulando pessoas e processos. Acreditando e desacreditando. Fica uma conversa difusa e a Torre de Babel se instala. Perde-se o principal: a confiança entre equipes e a gestão. O processo vulnerável, fechado, não se alinha às verdadeiras necessidades dos clientes internos, externos e ao modelo de negócios.

De onde viemos?

Viemos de um “lugar” conservador. Um lugar que posicionou os pais, os professores, os educadores, os gestores. O respeito e a ordem pertenciam aqueles que tinham mais idade, experiência. A vivência hierárquica está abalada, eu diria. Chegamos num tempo de carência total de referência. A nova geração em si está confusa. A geração “antiga” está desesperada, indignada quando os desafios de relacionamentos e comunicação se apresentam no ambiente organizacional. As relações interpessoais não mais se dão de forma vertical. O processo é na horizontal. Isso é novo,  e como tal, estamos todos em fase de aprendizados. Se optarmos pela mudança e engajamento, podemos começar a engatinhar. Dentro do ambiente familiar e nas organizações. Com a perda da referência, muitas vezes tornamo-nos babás em nossa casa e repetimos esse comportamento no ambiente organizacional, desnecessariamente.

A imposição de ideias nega o estímulo à participação dos indivíduos. A construção de uma nova ação oferecendo um caminho pronto, delimita a criatividade e intencionalidade dos mais jovens. O medo de fracassar dos chamados “antigos”, muitas vezes acarreta em uma liderança insegura e distante dos talentos, da singularidade na diversidade que existe. O incentivo para a produção de novos conhecimentos e resultados vem da liderança que apoia, participa, põe a mão na massa, entende as dificuldades diárias e vigia para que as pessoas tomem ações, sejam proativas em suas funções e responsabilidades. A entrega que é esperada pelos gestores depende de muitos fatores. Estimular equipes a desenvolver experiências novas é condição primária para o engajamento das pessoas, processos, metas e estratégias. Há uma interdependência aí. É preciso ampliar a AUTOPERCEPÇÃO de todos.

Mentalidade 

Mentalidade estratégica x Mentalidade de Crescimento das lideranças caminham juntas. Todo esse trabalho compreende na quebra de paradigmas desde a presidência até a parte operacional. Esse pode ser um dos fatores que levam empresários a procrastinar uma decisão para iniciar as mudanças. Existe o medo de que as pessoas não suportem a pressão da mudança e comecem a desacelerar. Tudo vai depender da estrutura desse processo, alinhavar todas as áreas e metas em etapas, para que TODOS visualizem o caminho e que seja congruente à missão e valores da organização. Dificil? Eu diria desafiador e possível quando há decisão, gestão da mudança e profissionais capacitados para apoiar a Organização.

Ampliar o “EU”

Nosso trabalho é trazer luz, insights. Novas conexões cerebrais vão se formando e ao entorno iniciam-se as transformações. Esse trabalho impacta todas as pessoas que participam do processo de mudanças e em todas as etapas. O indivíduo que se conhece profundamente amplia seu “eu” e sente-se mais preparado para enfrentar os desafios e se re-posicionar nas atividades e função. Autoconhecimento é a base minha gente! Todos nós precisamos de apoio dentro e fora das empresas! O ambiente empresarial é desafiador. Temos todos os tipos de pessoas, ideias. Todos guardam seus medos e segredos não revelados. Falar o que não é dito em sigilo é libertador. Ancora para novas ações e atitudes, livres de sentimento de culpa ou vitimismo. Gerar o profissionalismo entre as pessoas. É muito importante dentro das empresas que as pessoas se empoderem de si mesmas. Dessa forma tornam-se legítimas em suas decisões, falas, conversas, liderança e resultados.

É preciso ver pra conquistar!

A visão é sistêmica! De dentro pra fora é que as grandes mudanças acontecem!

“Nenhuma empresa que dependa de gênios e super homens para prosperar sobrevive. Toda empresa precisa de organização, métodos de gestão para que pessoas comuns, sob uma liderança adequada sejam capazes de conduzi-la” Drucker

Parece simples na escrita. Pra chegar nisso é preciso muito trabalho e a várias mãos. Com presença e estimulando a todos a embarcar nessa viagem.  Desenvolver diariamente a crença de que é possível, dispor-se a desenvolver um novo Plano de Vôo e engajar método, processo, estratégias e pessoas a bordo. O avião só vai cair se as ideias ficarem apenas no mundo das ideias. Implementar é o grande lance no mundo complexo que aí está.

Que tal iniciar a jornada?

Com carinho,

Silvana Girardi

Pessoas, Equipes, Negócios.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem Comentários

Deixe um Comentário