Rodas de conversa como estratégia terapêutica

Rodas de conversa como estratégia terapêutica

Não é incomum ouvirmos falar sobre rodas de conversa no contexto de crianças e adolescentes. Porém, a verdade é que o método de rodas interativas de conversa também traz vantagens para adultos!

Isto é, as rodas de conversa não apenas possibilitam uma comunicação mais dinâmica e produtiva, como também servem de instrumento para aproximar os profissionais e presentear com a audição ativa, principalmente no contexto atual da Covid-19.

Rodas de conversa: saúde mental e emocional

Mesmo que as rodas de conversa sejam viáveis em qualquer momento, não podemos negar que, especialmente nos últimos meses, muitas coisas aconteceram.

Pessoas e empresas foram impactadas pelo inesperado mundo das incertezas. A pandemia trouxe restrições ao cotidiano aparentemente regrado e com isso, a rotina condicionada sofreu um infarto… influenciando fortemente a Saúde Mental e Emocional dos profissionais.

Negócios inteiros e seus colaboradores perceberam que o controle absoluto, na verdade, não existe. E essa ilusão humana que muitas vezes é a base de muitos projetos e atividades laborais, levantou uma verdadeira maré de insegurança.

Medo, preocupação, ansiedade exacerbada e baixa produtividade. Muitos profissionais sentiram-se e sentem-se esgotados com os bastidores da vida real.

Não podemos fechar os olhos neste momento. Alguns véus caíram e nos mostraram um céu escuro impossibilitando seguir os planos do Novo Ano.

Para o ser humano as incertezas são como guerras.

Realmente, pode ser desafiador olhar para frente e não conseguir projetar as expectativas no futuro.

Porém, os ciclos de mudança – mesmo que intensificados – abrem possibilidades de improvisação e de flexibilidade que o cenário VUCA solicita.

VUCA: a sua empresa precisa se adaptar

Antes de falar sobre os ônus e bônus do nomeado ‘Novo Normal’, é necessário entender um pouco sobre o VUCA.

VUCA é uma sigla em inglês, que em tradução livre representa:

  1. V: volatilidade;
  2. U: incerteza;
  3. C: complexidade;
  4. A: ambiguidade.

Essas 4 palavras são utilizadas para descrever o cenário atual não só das empresas, mas também do mundo em que vivemos hoje em dia.

1.       Volatilidade

Ninguém poderia prever o estado de pandemia, mas devemos concordar que todos poderíamos prever a possibilidade de mudança. Afinal, a natureza volúvel e dinâmica acontece a todo momento.

Então, de certa forma, a única certeza que temos é da incerteza. Por causa disso que empresas e profissionais devem estar conscientes para lidar com a inconstância.

2.       Incerteza

Por que muitas vezes negligenciamos pequenas crises e problemas, até que seja “tarde demais”?

Sim, a incerteza existe e a falta de previsibilidade pode nos deixar perplexos e até hesitantes na compreensão de questões. Porém, isso nos coloca no contexto do perigo evitável que escolhemos ignorar.

Uma certeza dentro da incerteza é de que, em muitos dos casos, existem sinais de que pode haver algum problema à caminho neste exato momento.

3.       Complexidade

O ambiente organizacional pode conter dentro de si forças indistintas de caos e confusão que exigem um posicionamento de clareza.

Por isso, virar a chave da ‘complexidade’, permite uma visualização não apenas para mudanças futuras, mas no que pode também ser feito no presente.

Dessa forma, evitando mudanças muito bruscas que causam pensamentos como, “estou perdido” ou “não sei como lidar com isto”.

4.       Ambiguidade

É preciso ter clareza entre as relações das partes envolvidas. Ter a agilidade de perceber potencial erros de leitura e significados ajuda a diminuir a visão turva da realidade.

Ônus e bônus: diferentes formas de olhar o mesmo ponto

A confusão aumentada muitas vezes impossibilita ativar a criatividade.

Visualizar o mesmo ponto sob variadas perspectivas não é mascarar a realidade, é saber ser o seu “próprio treinador”.

O Home Office, por exemplo, trouxe o contato com as premissas básicas frente às mudanças – Ônus e Bônus:

Ônus

  • Aprender a conviver e se comunicar com a família que agora está inteiramente em casa;
  • Desenvolver habilidades com novas ferramentas do mundo virtual;
  • Reuniões à distância.

Bônus

  • Proximidade familiar;
  • Convivência conjugal;
  • Dormir um pouco mais ou aproveitar o tempo livre em que estaríamos no trânsito.

Empresas: é preciso estar atento às questões humanas – sempre!

Frente aos diversos desafios desse momento a demanda organizacional ampliou o olhar nas questões humanas. Desde a indústria 4.0 até os pequenos escritórios virtuais iniciaram a implementação de ações focadas na Saúde Mental e Emocional dos seus colaboradores.

Tenho acompanhado times e grupos, um trabalho valioso nesse momento histórico, cujos objetivos flutuam entre a escuta terapêutica e a nova estratégia estabelecida nas grandes Organizações.

É uma honra participar disso de perto e contribuir para que os profissionais se lembrem que pertencem ao Todo e que cada um, hoje mais do que nunca, é responsável pelo seu bem estar mental e emocional.

Despertamos juntos com empresas como ISACTEEP, Internexa, que me honram com esse papel.

Até agora, Setembro de 2020, foram mais de 100 rodas de conversa mediadas com profissionais assumindo posições de falantes e escutantes. E em ambos os casos, impactados positivamente por esse espaço.

E o que seria esse espaço? Um lugar que acolhe as falas, as emoções e propicia o desenvolvimento de  estrategias para melhor atuação profissional.

Por isso, seja você um colaborador ou um CEO de uma empresa, trazer as rodas de conversas como ferramenta de promoção da saúde e de integração de equipes pode causar uma verdadeira transformação!

 

 

Sem Comentários

Deixe um Comentário